As reformas sempre começam no interior das pessoas. Primeiro, é necessário tomar a difícil decisão de enfrentar o caos das reformas, pois sempre que se muda algo, é transtorno na certa.

A justificativa de número um para reformar a ovinocultura é que precisamos nos modernizar para prosperar. Urgentemente! Modernizar as estruturas das fazendas, que envolve diretamente a atualização dos conhecimentos dos trabalhadores, além da implantação cada vez maior da sistematização das informações e automação das operações, para então modernizar o rebanho de ovinos por meio do melhoramento genético em um sistema de nutrição de precisão.

Pois bem, o CordeiroBIZ começou uma reforma interna em 2014. Foram muitas marretadas e trabalho árduo que resultaram, em 2017, na entrada da empresa para o Ecossistema de Startups iCORPs, o maior programa brasileiro de apoio às pequenas empresas inovadoras, no estado de São Paulo. Foi um investimento de alto risco, mas hoje desenvolvemos pesquisa aplicada em ovinocultura na ponta mercadológica, junto aos produtores, como um dia almejávamos.

Queremos dizer que as reformas valem a pena!

Equipe CordeiroBIZ e mentores na cerimônia de formatura dos startups que participaram do treinamento "Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - Empreendedor", oferecido pela FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (maio, 2017).

Equipe CordeiroBIZ (Rafael e Felipe, com os certificados) e mentores na cerimônia de formatura dos startups que participaram do treinamento “Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas – Empreendedor”, oferecido pela FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (maio, 2017)

Ao traçar um paralelo do CordeiroBIZ com a ovinocultura brasileira, a principal ferramenta para a construção e reforma do sistema produtivo é a gestão zootécnica (leia-se Zootecnia) e os executores são os técnicos formados nas ciências agrárias. É obvio que existem outros fatores e personagens que compõem esta narrativa, mas o conceito deve ser entendido: é obrigatório um olhar técnico sobre todas as atividades que regem a produção de ovinos do pasto ao prato.

Vale destacar neste ponto o potencial do Brasil como “celeiro do mundo”, título atual e que deverá ser mantido nas próximas décadas. Esse potencial foi alcançado por meio de Ciência, Tecnologia e Inovação, que modernizou o país na última década, com avanços oriundos de tecnologias para a produção das commodities como também dos alimentos provenientes da agricultura familiar, que compõem a maior parte da comida do nosso dia a dia.

Em setembro de 2017, Helena Nader, Presidente de Honra da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, destacou em um programa de televisão que os resultados positivos do agro só foram alcançados pelo desenvolvimento de tecnologias, aonde foram citados como exemplos a fixação biológica de nitrogênio no solo, melhoria vegetal e produção de etanol (o CordeiroBIZ também destaca os Sistemas Integrados de Produção Agropecuária e o melhoramento genético animal). No mesmo programa, o jornalista da Revista Science em São Paulo, Herton Escobar, foi enfático ao afirmar que “o brasileiro come ciência”. Ambos apontaram que este ciclo só será sustentável ao longo dos anos com a aplicação das pesquisas no desenvolvimento de práticas ambientais sustentáveis.

A ovelha possui os requisitos e poderá cumprir este papel!

A reforma cultural também é importante. O cenário atual da ovinocultura em que os estudantes e produtores atuam está fartamente abastecida com propagandas de ovinos com “genética para produzir animais produtivos” que mostram os ovinos sendo julgados em exposições, uma metodologia visual que desconsidera o mérito genético. As propagandas deveriam mostrar os números de produção destes animais.

Algumas fazendas visitadas pela equipe nos últimos meses pareciam um cenário de 50, 100 anos atrás. Não apenas a questão da estrutura ultrapassada, mas também no trato com a mão-de-obra. A relação “casa grande e senzala” ainda é muito presente. Esta relação limita o desenvolvimento pessoal dos trabalhadores, pois o “peão analfabeto dá menos gasto”. Como apresentar resultados na ovinocultura, ou em qualquer outra produção, com este tipo de cultura jurássica? Os produtores precisam se libertar e abrir as portas para o novo. O novo é bom, e é inevitável.

Vamos pensar nos movimentos pró produção de ovinos, dos quais destacamos as regiões sudeste e sul do Brasil e dois países de fronteira, o Paraguai e o Uruguai. A Nova Zelândia será o tema de outro editorial. As viagens do CordeiroBIZ por estas regiões revelaram alguns polos com uma cultura progressista e visão técnica da produção, elementar para a estruturação da cadeia de suprimentos. A busca pela cooperação entre os agentes da cadeia coloca a ovinocultura como uma atividade competitiva e lucrativa.

Rafael Santos do CordeiroBIZ durante realização de ultrassom nas ovelhas da One Stop Ram Shop, Nova Zelândia. Equipamentos modernos, identificação eletrônica dos animais e instalações práticas são alguns dos destaques tecnológicos. A reforma já aconteceu por lá, e continua em andamento. (junho, 2017)

Rafael Santos do CordeiroBIZ durante realização de ultrassom nas ovelhas da One Stop Ram Shop, Nova Zelândia. Equipamentos modernos, identificação eletrônica dos animais e instalações práticas são alguns dos destaques tecnológicos. A reforma já aconteceu por lá, e continua em andamento. (junho, 2017)

O que o CordeiroBIZ está fazendo hoje é reformar. Dar cara de ovinocultura para as fazendas que assumem a bandeira da atividade. Cercas, centro de manejo, equipamentos, e os próprios ovinos ganham um “upgrade” com a adoção das técnicas e tecnologias de produção disponíveis. E não é só dentro da porteira. As equipes das fazendas, os produtores, precisam se comunicar entre si. A reforma do CordeiroBIZ vai além dos cabos que conectam as pessoas e os rebanhos.

Quem se anima em reformar a casa?

 

Rafael Fernando dos Santos – Mestre em Zootecnia

CordeiroBIZ – Ovinocultura de Resultados