Pular para o conteúdo

CordeiroBiz

Avaliação do escore de condição corporal nas matrizes para uma estação de monta bem sucedida

A estação de monta marca o início do ciclo de produção de cordeiros na fazenda. Ela representa o plantio e o início da safra. As decisões tomadas e manejos adotados até esse momento refletirão nos resultados dos animais desmamados e nos índices produtivos do rebanho.

Um conceito vital que deve ser adotado é a manutenção do escore de condição corporal (ECC) das ovelhas em níveis ideais de animais nutridos e, consequentemente aptos a se reproduzirem. A ferramenta que possibilita esse acompanhamento é a avaliação do ECC nas matrizes para um planejamento nutricional focado em mantê-las com pontuações entre 3,0 e 3,5 do desmame até a pré-monta, como detalhado no primeiro artigo da série “O BIZ da produção“.

As avaliações se iniciaram semestre passado na Fazenda Viva Águas, em Santa Cruz do Rio Pardo – SP, para selecionar matrizes aptas a participarem da estação de monta de forma bem sucedida. No dia 09 de fevereiro de 2013 a equipe do CordeiroBIZ se reuniu para aplicar pela primeira vez a avaliação de ECC no rebanho da Fazenda Viva Grama, localizada em São Sebastião da Grama – SP.

Foram pontuadas 304 ovelhas que foram separadas em dois grupos:

  • Zero até 2,75 – Não participam da estação de monta e se recuperam para a estação seguinte.
  • 2,75 até 4,5 – Aptas a participarem da estação de monta que se iniciará final de fevereiro.

Problemas com a mão-de-obra e o manejo da pastagem durante o pós-parto até a pré-monta não permitiram melhores pontuações de escore. Esses critérios de pontuação (aptas a entrarem em monta acima de 2,75 de ECC) foram definidos com base no planejamento da fazenda e no fluxo de caixa da produção anual, já que o sistema depende de um número mínimo de ovelhas para entrar em reprodução a fim de equilibrar o custo de produção.

Dentro das avaliações pré-monta, as ovelhas que apresentavam anemia foram vermifugadas, os problemas de casco tratados (foot-root, bicheiras, frieiras), juntamente com eventuais miiases nos animais.

A produção precisa ser planejada com antecedência para evitar que falhas de manejo e decisões técnicas “arranhadas” prejudiquem o resultado final e a rentabilidade do negócio. A produtividade da ovelha depende dessa programação da estação de monta que se baseia na recuperação do ECC por meio de um manejo nutricional adequado.

A avaliação de escore é mais uma ferramenta eficiente e fácil de ser implantada no manejo, que pode auxiliar os produtores a buscar melhores resultados produtivos em seu rebanho.

Foque sua produção e não descuide a atenção da condição das suas ovelhas.

Equipe CordeiroBIZ

1 comentário em “Avaliação do escore de condição corporal nas matrizes para uma estação de monta bem sucedida”

  1. Penso que as fotos deveriam ser acompanhadas da raça e ou do cruzamento. Sugiro que as matrizes que não possuírem escore para monta devam ser sacrificadas para não onerarem o investimento muito especialmente se forem oriundas de cruzamentos ou raças compostas. Ainda, penso que na mesma linha de gestão sejam acompanhadas as cobertas com ultrasom e as então vazias sacrificadas. Penso que no negócio ovelha se busque a matriz que ofereça dois cordeiros por safra e nisto o Brasil está atrasado vez que não possuímos seleção para partos múltiplos. No vizinho Uruguay se encontram reprodutores. Corriedale com DEP inclusive para parto gemilar. A EMBRAPA possue o gen booroola que, nas piores hipóteses oferece 2 cordeiros. Se a matriz bem alimentada anilaria três, quatro e até cinco o que passa a ser problema.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *