A palestra será ministrada pela professora Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro, que possui graduação em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (1985), mestrado em Nutrição Animal e Pastagens pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (1989) e doutorado em Zootecnia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1996).

Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Zootecnia, com ênfase em Sistemas de Criação e Manejo Animal e em Produção Animal em Pastagens, atuando principalmente nos seguintes temas: Produção de ovinos e caprinos em diferentes sistemas de produção.

Coordena o Laboratório de Produção e Pesquisa em Ovinos e Caprinos da Fazenda Experimental da UFPR. É líder do Grupo de pesquisa Produção de Ovinos para carne; orienta alunos de Mestrado e Doutorado dos Programas de PG em Agronomia e C. Veterinárias da UFPR. Bolsista Produtividade em Pesquisa Nível 1D. Realizou Pós Doutorado na Universidade de Zaragoza, Espanha, em 2012.

A ovinocultura e caprinocultura são ramos do agronegócio que têm se apresentado em destaque nos últimos anos. Para o bom resultado do negócio pecuário, de forma geral, está a boa aplicação dos recursos alimentares. No caso da produção ovina para carne, cujo produto mais valioso é o cordeiro, a boa aplicação dos recursos alimentares na fase do nascimento até o abate dessa categoria, que em geral abrange um período muito curto, é extremamente importante. Isso ocorre por dois motivos: o primeiro, já citado, é a própria duração desse período, que pode ser tão curto quanto próximo de 90 dias; o segundo refere-se à eficiência do uso do recurso alimentar pelo cordeiro, ou seja, seu desempenho eficiente relativo ao uso do recurso alimentar.

Algumas estratégias ou procedimentos de manejo alimentar no pré-desmame, na produção de cordeiros para carne, tem sido bastante estudados e utilizados na última década; nesse caso, o modelo mais citado tem sido a suplementação alimentar de acesso exclusivo/privativo aos cordeiros denominado creep feeding; esta é frequentemente relacionada ao desmame precoce, objetivando garantir desenvolvimento ponderal suficiente ao cordeiro a fim de suportar o desmame a idade jovem.

Além do creep feeding, o uso de creep grazing com acesso exclusivo dos cordeiros às forrageiras de maior valor nutricional, com leguminosas tais como os trevos ou Arachis spp. podem ser citados. De forma geral, aborda-se que o fornecimento de suplemento concentrado para lactentes permite obter animais mais pesados ao desmame, além de poupar as reservas da ovelha matriz.

Além do uso de dietas suplementares associadas aos métodos de desmame, a amamentação ou mamada controlada – ou desmama interrompida – pode ser ferramenta de manejo a ser aplicada no período lactacional, especialmente para sistemas em confinamento. Em condições de elevada oferta de forragem, a estratégia de terminação dos cordeiros ao pé da mãe, sem o desmame, também pode ser empregada.

Informações do palestrante adaptadas pela equipe organizadora do I Workshop Internacional em Sistemas Integrados de Produção Agropecuária “Ovinocultura de Corte”

Nessa ótica, a palestrante irá relatar algumas estratégias de manejo alimentar para o período lactacional dos cordeiros, apresentando também alguns resultados de pesquisa obtidos no LAPOC/UFPR (Laboratório de Produção e Pesquisa em Ovinos e Caprinos, Universidade Federal do Paraná). Interessados em participar do evento, comparecer no dia para fazer sua inscrição. Para mais detalhes clicar na imagem abaixo.