Pular para o conteúdo

CordeiroBiz

Estudo de Marca (1)

“O BIZ da carne”: a competitividade do boi e do cordeiro

Na disputa por produção de carne por hectare, onde se encaixa a ovinocultura de corte?
Na disputa por produção de carne por hectare, onde se encaixa a ovinocultura de corte?

Confiram esta informação:

“Os plantios de grãos, cana-de-açucar e florestas nos próximos 10 anos, devem demandar 12,2 milhões de hectares e pressionar as áreas dos pecuaristas no país, segundo estimativas da Agroconsult. “A maior parte do crescimento da agricultura virá da conversão de áreas da pecuária”, afirmou André Pessôa, sócio-diretor da Agroconsult. Neste cenário, explica o analista, a atividade terá de intensificar a adoção de tecnologia em 30% para fazer frente à demanda por carne e ‘liberar’ área para a agricultura. “No atual ritmo de aplicação de tecnologia, a pecuária conseguiria destinar 9 milhões de hectares”, conforme estimativa da consultoria Bigma, com informações do Valor.” (Fonte: pecuaria.com.br, 21/08/2012)

Impressionante! Estamos vendo um cenário da corrida pelo alimento.

De forma prática, os alimentos que mais têm desenvolvido produção a campo são os alimentos de rápido cultivo ou de maior produção por hectare. Seria justo comparar agricultura com pecuária?

O Brasil, sendo o celeiro do mundo, com o ambiente mais propício para produção de cereais, deverá abastecer muitas bocas daqui por diante.

O boi, sem perder mais tempo, já tem o seu futuro programado: ou faz mais carne por hectare, ou perderá área para culturas mais produtivas.

Os EUA que compete em larga escala na produção de proteína animal, já fechou sua produção de carne há tempos, a fim de poder competir e se destacar como um dos maiores produtores também de cereais, principalmente na cultura do milho.

Produtores de ovinos, mais uma vez neste mês de agosto: “Onde se encaixa a carne de cordeiro?”.

Com o potencial que temos em nossas mãos de produzir dobrado ou triplicado a produção de cordeiros brasileiros, ainda assim, insistimos em dar destaque à produção de fundo de quintal, onde há baixa produtividade em função de não explorarmos as ferramentas que temos em mãos. Vejam o potencial do “fundo de quintal”! Se aplicarmos genética, manejo e nutrição, veremos em menos de um ano um produtor de 200 ovelhinhas produzindo 400 cordeirões!!! Que tal? Qual é a produção no MUNDO de proteína animal que tem esse potencial?

Precisamos parar de criar e nos tornarmos produtores de carne ovina!

Vejam o boi, que vem melhorando geneticamente há anos, hoje com rendimento de carcaça maior que 53%, melhor conversão alimentar, extremamente adaptado a qualquer parte do país, tem ainda assim sua produção ameaçada por culturas mais agressivas! E nós ovinocultores, aonde iremos parar?

Estamos ainda produzindo apenas um cordeiro por ovelha numa fertilidade de 80% do rebanho. Isso quer dizer que além de competirmos no estado de São Paulo, por exemplo, com a produção de carne de suínos e aves pela obrigação no uso de grãos (veja artigo – “O BIZ da carne”: o cordeiro na corrida das commodities), agora temos também que competir com o boi nos campos. Devemos também considerar que o boi vem sendo trabalhado geneticamente no Brasil há muito mais tempo que o ovino.

Sem muita conta, no caso do bovino, 1 UA/ha (unidade animal por hectare) gera em um rendimento de 53% ou 238,5Kg de carne por hectare. No mesmo hectare 17 ovinos com 35Kg de peso vivo e 45% de rendimento de carcaça produzem 267,8Kg de carne. A relação está muito apertada!!! Estamos falando de 29,3Kg de carne de diferença. Na linguagem da commoditie, menos de 1@! Lembrando que essa lotação no ovino é valida quando desafiamos em pastagens melhores, sendo que essa relação também aumentará para o bovino.

Em quanto tempo vocês produtores de ovinos acreditam que o boi produzirá uma arroba a mais por hectare? Pensem sobre isso!

Quem investe na agricultura ou pecuária no Brasil hoje, enxerga dinheiro por área, e não perde mais tempo! Afinal, quem é que não gosta de bolso cheio?

É hora de potencializar a produção. Se podemos ter mais partos por fêmea, ainda há muita competição pela frente!

Equipe CordeiroBIZ

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *