Representação de um sistema ‘ganha-ganha’, onde o Ovinocultor é o elo principal da cadeia, já que ele é o responsável pelos resultados dos cordeiros.

Representação de um sistema ‘ganha-ganha’, onde o Ovinocultor é o elo principal da cadeia, já que ele é o responsável pelos resultados dos cordeiros.

O cenário da ovinocultura de corte no Brasil apresenta claramente uma necessidade urgente de se estruturar e se profissionalizar para produzir um produto final de qualidade. Observando o potencial do nosso país e os exemplos de cadeias sustentáveis e bem sucedidas que produzem proteína animal, temos largos passos a serem dados para expressarmos o peso que a cadeia pode ter no PIB nacional, se tornando auto-suficiente para sustentar o consumo interno e ostentar mercados internacionais.

Olhando o cenário macro, observa-se a busca de uma carne de qualidade pelo mercado consumidor, um padrão de cortes e uma constância na oferta desse produto, pressionando a cadeia como um todo a se adequar a essa demanda. O frigorífico busca animais a campo que atendam a um padrão, e então se inicia uma seqüência de dificuldades, como encontrar cordeiros de qualidade, que ‘empacam’ o desenvolvimento sustentável da atividade. Necessita-se incentivar a criação regional de ovinos, entender a realidade da região e focar o sistema de produção, organizando as atividades dentro das propriedades.

Quando o foco da atividade é a produção de cordeiros que resultem uma carcaça de qualidade, toda a cadeia deve trabalhar para que esse objetivo seja alcançado, pois os elos não são independentes. Os primeiros passos começam dentro da propriedade, com o entendimento dos sistemas de produção de ovinos e suas aplicações. Sem perder o foco, todos devem trabalhar em conjunto para que o mercado consumidor seja atendido. Se uma propriedade optar, após analisar o cenário macro em que está inserida, pela produção e venda de cordeiros desmamados, por exemplo, o foco continua sendo o mesmo: a qualidade final da carcaça desse cordeiro. Devemos nos conscientizar da interdependência de todos dentro de uma cadeia (os elos são parceiros, e não devem concorrer entre si), pois só assim os objetivos propostos serão alcançados com excelência.

As propostas de parcerias dentro de uma cadeia devem seguir um sistema ‘ganha-ganha’. Todos devem ser beneficiados pelos resultados, para isso é clara a necessidade de união, onde os envolvidos precisam se conhecer, conversar, levantar dificuldades e apresentar soluções, para que o caminho da estruturação seja sustentável. Se esse sistema de parcerias ‘ganha-ganha’, em um determinado momento passar a ser uma parceria ‘ganha-perde’, o elo que ‘perde’ irá desestabilizar a cadeia, inevitavelmente comprometendo o resultado final.

A verdade é que cada produtor deve se conscientizar de que o início desse processo começa dentro da porteira, com a organização do sistema de produção. Quem produz a carne é o ovinocultor, ele detém o produto, a matéria-prima, isso lhe dá o poder da negociação e as ferramentas para incorporar o sistema ‘ganha-ganha’ para a cadeia da ovinocultura. O ovinocultor assumindo essa postura e tendo em mãos as melhores e mais rentáveis carcaças (resultados da profissionalização do seu sistema de produção), ele construirá o alicerce para essa nova realidade.

Equipe CordeiroBIZ