Tal tema será abordado pelo Porf. Dr. Alessandro Francisco Talamini do Amarente que possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Pelotas (1986), mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1988) e doutorado em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1996). Atualmente é Professor Titular do Departamento de Parasitologia, Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Doenças Parasitárias de Animais, atuando principalmente no seguinte tema: epidemiologia, diagnóstico e profilaxia das parasitoses de ruminantes.

As infecções por nematódeos gastrintestinais se constitui em um dos principais problemas sanitários que acometem ovinos. Os animais podem ser parasitados simultaneamente por várias espécies de helmintos gastrintestinais, porém, no Brasil, as principais espécies são Haemonchus contortus, parasita do abomaso; Trichostrongylus colubriformis, parasita do intestino delgado e Oesophagostomum columbianum, parasita do intestino grosso (Amarante et al., 2004; Ramos et al., 2004; Souza et al., 2013).

A verminose pode acometer qualquer animal, no entanto, o problema é mais grave em animais jovens e em fêmeas no período do periparto. A qualidade da nutrição tem grande influência na eficiência da resposta imunológica contra os parasitas e desempenha papel central na epidemiologia da verminose.

A eficiência da resposta imunológica é influenciada por vários fatores que incluem a espécie do parasita, a taxa de infecção e o tempo de exposição. Quando animais bem nutridos são expostos continuamente às infecções, ou seja, diariamente ingerem larvas infectantes em pequena quantidade, pode se estabelecer imunidade protetora. Nessa situação, a ocorrência de casos clínicos não é comum e apenas os animais com predisposição genética à susceptibilidade é que adoecerão. Assim, pode-se afirmar que ocorre equilíbrio na relação parasita-hospedeiro.

O estado nutricional tem influência direta na capacidade do animal de desenvolver resposta imunológica contra as infecções e suportar os efeitos deletérios das doenças. Os tecidos responsáveis pela formação de células de defesa, anticorpos e outras substâncias envolvidas na defesa do organismo, apresentam grande demanda por nutrientes. O palestrante abordará temas que expliquem a influência da nutrição na eficiência da resposta imunológica de ovinos.

Informações do palestrante adaptadas pela equipe organizadora do I Workshop Internacional em Sistemas Integrados de Produção Agropecuária “Ovinocultura de Corte”
Interessados em participar do evento, comparecer no dia para fazer sua inscrição. Para mais detalhes clicar na imagem abaixo.